Pular para o conteúdo principal

Maat


Já foi dito por aqui que sou uma pessoa tem medo de recomeços.
Todo final de ano eu paro e penso que quero mais do mesmo, apenas com uns upgrades. Gosto que as coisas continuem como estão e estejam sempre melhorando, que é pra nada sair do lugar certo. Não se mexe em time que está ganhando, certo?
Pois bem, esse período de meio pra fim de ano foi um período um tanto quanto ruim em alguns sentidos da minha vida. Meu medo normalmente me paralisa, mas esse final de ano eu to querendo mudar algumas coisas pra 2015, então acho que não custa tentar. Porém, eu sei que muitas pessoas são iguais a mim e tem uma aversão básica à mudanças, então eis aqui a meu desejo para nós, receosos e desejosos da felicidade:
Desejo a nós o equilíbrio. Não quero ser equilibrada, quero poder enlouquecer, quero enlouquecer de felicidade, de amor, de esperança, de bondade, mas quero também ter direito a enlouquecer de ódio, de vontade de chorar... Quero enlouquecer de viver. Quero voar, quero flutuar, quero ter direito a tudo de gostoso que a vida pode proporcionar, mas tenho consciência de que é preciso escuridão para reconhecer a luz. Pode parecer estranho esse meu desejo pra algumas pessoas, principalmente de início, mas acredite em mim, não é. Desejo que tenhamos fome de viver, que mergulhemos nesse mar que é a dádiva da vida. Desejo que seja doce, mas você nunca ouviu sua vó dizer que sempre se põe uma pitada de sal em toda receita de doce, só pra apurar o sabor? Pois é. Desejo que seja doce, que a pitada de sal sirva apenas pra apurar a felicidade das nossas vidas. Desejo que possamos voar, mas que sempre haja um lugar para pousarmos e descansarmos nossas asas, todo mundo precisa respirar um pouco. Não desejo que nossas vidas sejam extremamente perfeitas, perfeição me irrita, e o que eu quero é que sejamos felizes, desejo que nossas vidas estejam em equilíbrio para podermos ser muito felizes, e que toda desventura venha apenas em medida certa. O equilíbrio nem sempre é fácil de ser alcançado, por isso desejo a nós também uma dose extra de sorte e sabedoria, vamos precisar. Desejo mais blog pra todos, afinal, se estamos aqui é porque nos faz bem. Desejo que a Poesia nos inspire a escrever mais e mais, a espalhar a beleza das palavras.
Gosto de muito amor na minha vida, e, por isso, desejo isso pra você também. Muito amor. É o amor que me dá asas, e se queremos voar todos juntos, precisamos todos de amor, todos os tipos de amor. Desejo pra nós todos os nossos desejos, todos os nossos sonhos. E que depois dos sonhos realizados não venha a dificuldade de achar novos objetivos de vida. Desejo sonhos realizados e desejo mais, desejo sempre a vontade de sonhar de novo. 
Não sei se já falei aqui, mas gosto muito de misticismo, de mitologias diferentes... Pois bem, na mitologia egípcia o bem e o mal tem que estar em equilíbrio para que o mundo não vire o caos. O nome desse equilíbrio, dessa espécie de força, de deusa que zela pelo equilíbrio do universo é Maat. 
Desejo pra nós o Maat, e todo o amor do mundo.
Feliz ano novo pra você! 


Comentários

Flávio P. Reis disse…
Misticismo não é a minha, mas seu texto é bem interessante e coerente... (como sempre, diga-se de passagem...rs)
Também desejo a você um ano literalmente novo, de mudança e transformação sobre o que precisar e de afirmação do que já foi conquistado.
Beijo grande no seu pequeno-grande coração.
Gugu Keller disse…
No assimilarmos o jamais equilíbrio, ei-lo.
GK
Bípede Implume disse…
Olá Vivian
Como gostaria de ter sido eu a escrever o seu texto. De tal maneira ele é empolgante. Me senti qual Peter Pan, no feminino, voando sobre suas palavras cheias de entusiasmo.
Muitas pessoas rezam, têm dicas para ser felizes, seguem não sei que filosofias.
Mas ler seu texto é tão entusiasmante que devia ser lido sempre que se está com a moral em baixo.
Se me permite virei aqui busca-lo.
Pois, amiga, lhe desejo tudo de bom e que essa força a acompanhe sempre
Feliz 2015!
Beijinhos
Bípede Implume disse…
Olá Vivian
Espero que tenha entrado em 2015 com o pé direito.
Tudo de bom para si.
Beijinhos
ticoético disse…
Vivian,minha-mais-que-querida,espero que tenha um bom ciclo neste novo ano,mais poesia,mais alegria,mais amor e todo o resto pois do contrário não tem graça...enfim,abraço !

Postagens mais visitadas deste blog

cheio de nada

O silêncio dói.
Não saber o que falar incomoda.
A cada palavra não escrita a mão coça
a cada palavra não ouvida o corpo se molda
em algo maior ou menor
dependendo do que for
ou do que deixa de ser.

O não dito corrói.
Queima entre os espaços cheios de nada
que todo o resto vai deixando
conforme a vida acontece
e o resto vai se mostrando
para ser modificado pelo tempo.

O silêncio não faz sentido.
Ele vai se perdendo cada vez que se mostra
ele vai se esvaindo a cada exposição,
pois o silêncio não tem coração,
ele pode até ser inspiração,
mas não é inspirado.

A tua cabeça não mais trabalha,
o teu ouvido não mais escuta,
e teu coração não sente mais culpa,
talvez não sinta amor,
talvez não sinta paixão.
Tua frase não mais se constói,
você está cheio de nada,
porque o silêncio dói.

Oceano

Cada um é um mar.
Alguns mares são mais frios, outros mais distantes, ou revoltos, porém são sempre mar.
Você às vezes nada tanto pra dentro de si mesmo que parece que nunca mais vai voltar. Talvez às vezes você nem volte mesmo. 
Quanto mais você nadar, quanto mais pra dentro você for, mais escuro o caminho vai ficar, o desconhecido carece de luz, e isso não é necessariamente algo ruim, mas com certeza é assustador. É assustador conhecer a si mesmo, perceber a luz e a sombra que habita em você.
Acontece que, às vezes, ir pra dentro não é ir para perto. Você acha que tá lá, chegando perto do que você é, mas quando parece que tá quase lá, não tá, e cada vez mais você persegue algo que você talvez nunca alcance, e aí, quando se dá por si, não existe destino, mas também não tem como encontrar o caminho de volta.
Por muitas vezes eu só lamentei não ser mais o que um dia fui, e até hoje, até agora, enquanto escrevo aqui, eu gostaria muito de ser quem eu era. Eu costumava dizer, e estava di…

o enigma de mim mesma

Não gosto de gaiolas, gosto de ter espaço pra voar mesmo que eu resolva me demorar. Gosto de ser entendida, mas não adivinhada, o meu livro não é para todos, ele mal é pra mim. Sou apenas uma personagem  com caprichos, vontades e muitas eternidades. Gosto dos meus gostos e desgosto dos meus desgostos Faço coisas por impulso, e em outras penso bem, você é vários e eu também. Gosto de voar, mas preciso ter onde descansar, e se isso não é possível, só me resta aceitar, e, quando der, mudar. Pois onde não posso ser inteira, não me demoro. "Decifra-me ou te devoro."