Pular para o conteúdo principal

Pele de aço, coração de vidro


AVISO: sei que o título do post é clichê. E que o conteúdo do post é clichê. Sou poeta menor, perdoar, preciso de clichês, tenham paciência comigo.
Não é possível atingir a perfeição, muito menos estar nela o tempo todo. Acho que eu e você, assim como todas as boas pessoas (na minha humilde opinião), temos nossas imperfeições, e estamos tentando melhorá-las a todo instante. Aqui estou eu, com todas as minhas imperfeições, tentando lidar com a insegurança, porque sou humana, então me permito uma cicatriz por vez. Espero que você entenda.
O fato é que eu sou assim, gosto muito de fingir que sou forte, mas sou insegura, e nem tudo é trabalhável no momento que a gente quer. Pra mim isso me torna vulnerável, como não poderia deixar de ser em toda história de amor. E cada vez que, até mesmo sem querer, você toca em assuntos delicados pra mim, mais exposta me sinto, e não consigo lidar com isso muito bem. Sabe, isso não me faz bem, é algo complexo. Estou aqui num monólogo muito complicado de estruturar, num desabafo muito difícil de admitir, tanto pra mim mesma quanto para outras pessoas, tanto que talvez esse texto nem vá ao ar. É só que eu não me sinto nada.
Nada, realmente nada. Não me sinto bonita o suficiente, ou gostosa, ou legal, ou linda, ou inteligente... Nem forte demais, nem arrebatadora o suficiente, eu não me sinto o bastante. E aí vem a vida e de vez em quando me prova que eu não me sinto o bastante porque realmente não sou. Ah sim, antes que você me pergunte, não, eu não penso só nisso ou só nos episódios em que isso me veio à tona, mas penso o suficiente pra me sentir assim, e isso me basta pra precisar botar pra fora de alguma maneira.
Não me entenda mal, a culpa não é sua, nem minha, mas é complicado de explicar e de processar, e talvez por isso algumas coisas não saiam da minha cabeça. Eu me sinto como um vidro, com uns arranhões aqui e ali... Nada de grave, claro, são coisas que diminuem com um polimento ou outro, mas sabe? Não sou mais a mesma, nunca gostei de me expor tanto assim pessoalmente, sem as palavras pra me escudar, e com você parece que nem elas adiantam. Alguma vezes porque você não entende, outras vezes porque eu não consigo articular, a vida nem sempre é um texto coeso e coerente, tenho consciência de que é preciso saber dar uns ajustes nela. O problema é que nem sempre essa consciência me ajuda a ser menos difícil, reagir com menos hostilidade, digerir isso ou algo assim.
Talvez a vida seja feita por arranhões no nosso vidro, afinal.

Comentários

Gugu Keller disse…
O que mais nos fortalece é a devida compreensão da nossa fraqueza.
GK
Bípede Implume disse…
Olá Vivian
Tive uma amiga que não era feia nem bonita. Talvez para uns fosse bonita para outros feia. Mas o que ela tinha mesmo descomunal e torto era o nariz. Coisinha sem importância. Ela o usava orgulhosamente e dizia que era o que a diferenciava dos outros, ou outras como queira. Isto para dizer que perfeito, perfeito só quem faz plástica e...e... nem assim. Mesmo por dentro acho que todos temos imperfeições e isso nos distingue. Se todos fossemos iguais que coisa monótona.
Escrevendo o que você escreve é linda sim senhora!
Beijinhos de aqui quase Verão.
Vieira Calado disse…
Toda a nossa vida é feita de clichés, amiga!...

Beijinhos!

Postagens mais visitadas deste blog

cheio de nada

O silêncio dói.
Não saber o que falar incomoda.
A cada palavra não escrita a mão coça
a cada palavra não ouvida o corpo se molda
em algo maior ou menor
dependendo do que for
ou do que deixa de ser.

O não dito corrói.
Queima entre os espaços cheios de nada
que todo o resto vai deixando
conforme a vida acontece
e o resto vai se mostrando
para ser modificado pelo tempo.

O silêncio não faz sentido.
Ele vai se perdendo cada vez que se mostra
ele vai se esvaindo a cada exposição,
pois o silêncio não tem coração,
ele pode até ser inspiração,
mas não é inspirado.

A tua cabeça não mais trabalha,
o teu ouvido não mais escuta,
e teu coração não sente mais culpa,
talvez não sinta amor,
talvez não sinta paixão.
Tua frase não mais se constói,
você está cheio de nada,
porque o silêncio dói.

Oceano

Cada um é um mar.
Alguns mares são mais frios, outros mais distantes, ou revoltos, porém são sempre mar.
Você às vezes nada tanto pra dentro de si mesmo que parece que nunca mais vai voltar. Talvez às vezes você nem volte mesmo. 
Quanto mais você nadar, quanto mais pra dentro você for, mais escuro o caminho vai ficar, o desconhecido carece de luz, e isso não é necessariamente algo ruim, mas com certeza é assustador. É assustador conhecer a si mesmo, perceber a luz e a sombra que habita em você.
Acontece que, às vezes, ir pra dentro não é ir para perto. Você acha que tá lá, chegando perto do que você é, mas quando parece que tá quase lá, não tá, e cada vez mais você persegue algo que você talvez nunca alcance, e aí, quando se dá por si, não existe destino, mas também não tem como encontrar o caminho de volta.
Por muitas vezes eu só lamentei não ser mais o que um dia fui, e até hoje, até agora, enquanto escrevo aqui, eu gostaria muito de ser quem eu era. Eu costumava dizer, e estava di…

o enigma de mim mesma

Não gosto de gaiolas, gosto de ter espaço pra voar mesmo que eu resolva me demorar. Gosto de ser entendida, mas não adivinhada, o meu livro não é para todos, ele mal é pra mim. Sou apenas uma personagem  com caprichos, vontades e muitas eternidades. Gosto dos meus gostos e desgosto dos meus desgostos Faço coisas por impulso, e em outras penso bem, você é vários e eu também. Gosto de voar, mas preciso ter onde descansar, e se isso não é possível, só me resta aceitar, e, quando der, mudar. Pois onde não posso ser inteira, não me demoro. "Decifra-me ou te devoro."