Pular para o conteúdo principal

Não sei, só sei que foi assim

    Recomeçando o blog, eu meio que faço questão de explicar algumas coisas, e a primeira delas é porque eu abandonei o meu primeiro blog. O Não sei, só sei que foi assim deu zique zira. Sério. Não sei porque, eu não conseguia mais criar postagens nele, o editor não abria em nenhuma das versões, e eu acabei deixando de escrever nele. Acontece que ele era assim uma grande parte da minha vida, de verdade. Se eu tava triste, eu postava uma poesia nele e NA HORA você ia saber que eu tava triste. Alguma coisa ruim aconteceu? Eu ficaria hooooras e mais horas escrevendo um texto imenso que quase ninguém lia rs mas mesmo assim era bom desabafar. Eu estava feliz? Lá ia mais uma poesia e uma foto do motivo da felicidade. Em suma, meu blog era um jeito de expor o que eu escrevia e uma forma disfarçada de diário. Por meio dele eu também conheci grandes escritores. Alguns eu infelizmente perdi contato, outros estão sempre comigo (em pensamento ou não).
    Agora voltando e recomeçando um blog, eu quis muito explicar isso porque é estranho estar escrevendo em outro lugar. É muito estranho começar a compartilhar tantas coisas e tantos sentimentos assim do zero. E é também muito estranho ter que recomeçar, mas acho que isso vai me fazer bem. "Por que você não apaga o outro, Vih"? Primeiro porque sem passado não há presente e nem se faz futuro, então eu realmente não quero me desfazer dele; segundo porque não dá rs tem tanta coisa de mim lá que, se eu apagasse, eu me apagaria junto, sem brincadeira; e terceira, mas não menos importante: porque eu vou repostar textos antigos aqui também ;)
    Enfim, mais uma vez obrigada pela atenção, talvez (beeeem provavelmente) no futuro ninguém pare pra ficar voltando as postagens e pra ler esse post em especial, mas é uma questão de honra ressaltar o quanto escrever faz parte de mim, e o quanto meu antigo blog também faz e vai fazer sempre. Talvez antigamente até fosse mais fácil sentar em frente a um computador ou abrir um caderno e começar a poetisar. Antigamente era bem mais fácil que as rimas achassem minha mão e meu papel, mas, como eu disse, escrever (principalmente poesias) é algo que faz de mim quem eu sou. Grande parte de mim. Não porque eu escreva bem ou porque eu seja um gênio, mas porque é por meio da escrita que eu consigo abrir meu coração para as pessoas. E também, por sorte minha, para alguns poucos eu sou constantemente poesia, e isso é o que faz meu dia. Espero que gostem daqui (:
Beijos rimados pra vocês
Vivian Pinto
 

Comentários

Não sei, só sei que foi assim tem toda uma história, e melhor muitas poesias que tenho anotado nos meus caderninhos pela casa. Ainda lembro quando a gente criava contos ou poesias juntas, aquele que fizemos ainda esse ano sobre cartas tinha que rolar uma postagem hein?!
E a poesia da Batata frita? hahaha
Tantas coisas que te lá, nem pode excluir, não deixo não, fico magoada se fizer isso :P
Amei a ideia de repostagens, aposto que logo logo seus novos leitores vão amar.
Beijo vivi

Paz e Morangos
ticoético disse…
Olá Vivi,sumida Vivi,pois é,o tempo passa,a gente nem percebe...mas acaba mudando,bem agradável esse novo espaço teu,cheguei no finalzinho do "nao sei,só sei que foi assim" mas foi bom,muitas coisas boas de se ler e discutir vi por lá.Guardei também algumas poesias lindas.
Acho importante renovar,mesmo continuando com o mesmo espaço,rs.
Fiquei tanto tempo off,mas sempre que posso dou uma volta por aqui e acolá,já começaste aqui dando um show de poesia,adorei "Andorinhas",enfim,passei pra dizer que estou bem,observando sempre que possível,doido pra conseguir publicar o que tá preso,mas uma hora sai,uma hora o cabelo cresce de novo e os dedos voltarão a ser nervosos,uma hora a gente volta a preencher este grande livro virtual,com nossa vida,nossos personagens e todo amor que se possa mostrar,saudade disso aqui,saudade de você,de Ceci,mas uma hora,um dia,ou noite sai,quem sabe?!
Abraços e parabéns por sua nova "residência",rs.
ticoético disse…
Andorinha*

PS: retire esta confirmação de letras e números nos comentários,isto é muito chato,leia-se crítico para mim que sou quase cego :)

Postagens mais visitadas deste blog

cheio de nada

O silêncio dói.
Não saber o que falar incomoda.
A cada palavra não escrita a mão coça
a cada palavra não ouvida o corpo se molda
em algo maior ou menor
dependendo do que for
ou do que deixa de ser.

O não dito corrói.
Queima entre os espaços cheios de nada
que todo o resto vai deixando
conforme a vida acontece
e o resto vai se mostrando
para ser modificado pelo tempo.

O silêncio não faz sentido.
Ele vai se perdendo cada vez que se mostra
ele vai se esvaindo a cada exposição,
pois o silêncio não tem coração,
ele pode até ser inspiração,
mas não é inspirado.

A tua cabeça não mais trabalha,
o teu ouvido não mais escuta,
e teu coração não sente mais culpa,
talvez não sinta amor,
talvez não sinta paixão.
Tua frase não mais se constói,
você está cheio de nada,
porque o silêncio dói.

Oceano

Cada um é um mar.
Alguns mares são mais frios, outros mais distantes, ou revoltos, porém são sempre mar.
Você às vezes nada tanto pra dentro de si mesmo que parece que nunca mais vai voltar. Talvez às vezes você nem volte mesmo. 
Quanto mais você nadar, quanto mais pra dentro você for, mais escuro o caminho vai ficar, o desconhecido carece de luz, e isso não é necessariamente algo ruim, mas com certeza é assustador. É assustador conhecer a si mesmo, perceber a luz e a sombra que habita em você.
Acontece que, às vezes, ir pra dentro não é ir para perto. Você acha que tá lá, chegando perto do que você é, mas quando parece que tá quase lá, não tá, e cada vez mais você persegue algo que você talvez nunca alcance, e aí, quando se dá por si, não existe destino, mas também não tem como encontrar o caminho de volta.
Por muitas vezes eu só lamentei não ser mais o que um dia fui, e até hoje, até agora, enquanto escrevo aqui, eu gostaria muito de ser quem eu era. Eu costumava dizer, e estava di…

o enigma de mim mesma

Não gosto de gaiolas, gosto de ter espaço pra voar mesmo que eu resolva me demorar. Gosto de ser entendida, mas não adivinhada, o meu livro não é para todos, ele mal é pra mim. Sou apenas uma personagem  com caprichos, vontades e muitas eternidades. Gosto dos meus gostos e desgosto dos meus desgostos Faço coisas por impulso, e em outras penso bem, você é vários e eu também. Gosto de voar, mas preciso ter onde descansar, e se isso não é possível, só me resta aceitar, e, quando der, mudar. Pois onde não posso ser inteira, não me demoro. "Decifra-me ou te devoro."