quinta-feira, 10 de abril de 2014

Crime

Errar é tido como crime, e, como todo crime, é difícil de ser admitido.
Sempre ouvi dizer que, quando a gente erra, é mais difícil admitir o erro pra nós do que pro alvo do nosso erro. Ao longo do que eu vivi (sendo pouco ou muito, depende de quem julga), percebi que não é tanto isso. Quando a gente erra, sabe que errou. Pode até ser que não externemos isso, mas a gente sabe que errou, e aquilo incomoda. O sentimento que o erro provoca pinica a mente, e até por isso sabemos que algo errado aconteceu. Quando esse erro é percebido, nós tentamos cegamente desabafar com alguém, contar o que houve, mostrar que sabemos da nossa culpa, e aí todo mundo paga o pato. Daqui a pouco quase o mundo inteiro sabe que você errou, menos uma pessoa: a pessoa com quem você errou. Porque pra ela sim é difícil admitirmos sinceramente o erro. E tudo que buscamos é seu perdão, e, se conseguimos, só aceitamos quando nós mesmos nos perdoamos. Mais difícil que admitir para si mesmo o erro é entender que errar é humano. Perdoar a si mesmo parece mais com um crime inafiançável.

Vivian Pinto

Quantas saudades!!! Voltei, voltei LALALA
Beijos rimados pra vocês :*

Um comentário:

Flávio P. Reis disse...

Nossa... sem dúvida, Vivian. A gente, quando é pra encarar, desvia. E quando é pra desviar, encara. Acontece justamente com o "assumir dos erros", com o "pedir perdão", com o "perdoa-se"...
Que bom que voltou... E voltou com tudo!
Beijo grande!