quarta-feira, 16 de julho de 2014

Pagar pra ver

Não posso deixar de pensar que sou uma escritora ingrata e uma poeta típica, como temia Mário Quintana, com uma frase que por bastante tempo definiu minha vida, e eu desconfio que ainda defina
Só consigo me sentir produtiva escrevendo quando existe algo confuso em minha cabeça, talvez por isso eu seja tão inconstante por aqui.
Hoje eu fui tomada por um desejo súbito de escrever depois te ter lido um texto que gostei. Talvez quem sabe esse desejo me mova a partir de agora.
Talvez não.
Quero pagar pra ver.

Nenhum comentário: