Pular para o conteúdo principal

Psicologia de mim mesma


Sempre me incomodou só conseguir escrever em primeira pessoa.
Quem escreve, por favor, não me entenda mal, porque eu gosto de ler quem escreve em primeira pessoa. Amo ler tudo. Mas sempre me incomodei com isso em mim mesma. Sempre me soou muito egoísta escrever como se tudo girasse em torno de mim.
Bem da verdade, devo ser egoísta mesmo.
Voltando ao assunto, como sempre me desagradou o fato de usar tanto o "eu", acabo admirando muito quem se distancia na escrita, quem faz crônica, faz romance, faz drama, enfim, faz literatura.
É incrível a habilidade de quem se põe no lugar do personagem e lhe escreve a história. É incrível a capacidade dar vida com palavras.
Como eu não consigo fazer isso, acabo colocando o personagem dentro de mim, tento escrever por mil e uma pessoa diferentes, e mesmo assim acabo soando tanto como eu mesma.
Não sei se eu aprendo com as histórias, mas certamente absorvo e tento vivê-las pelos meus personagens.
Tento ver o mundo por um olhar que não é meu, sempre tentei. Acho que sempre tentarei.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

cheio de nada

O silêncio dói.
Não saber o que falar incomoda.
A cada palavra não escrita a mão coça
a cada palavra não ouvida o corpo se molda
em algo maior ou menor
dependendo do que for
ou do que deixa de ser.

O não dito corrói.
Queima entre os espaços cheios de nada
que todo o resto vai deixando
conforme a vida acontece
e o resto vai se mostrando
para ser modificado pelo tempo.

O silêncio não faz sentido.
Ele vai se perdendo cada vez que se mostra
ele vai se esvaindo a cada exposição,
pois o silêncio não tem coração,
ele pode até ser inspiração,
mas não é inspirado.

A tua cabeça não mais trabalha,
o teu ouvido não mais escuta,
e teu coração não sente mais culpa,
talvez não sinta amor,
talvez não sinta paixão.
Tua frase não mais se constói,
você está cheio de nada,
porque o silêncio dói.

Oceano

Cada um é um mar.
Alguns mares são mais frios, outros mais distantes, ou revoltos, porém são sempre mar.
Você às vezes nada tanto pra dentro de si mesmo que parece que nunca mais vai voltar. Talvez às vezes você nem volte mesmo. 
Quanto mais você nadar, quanto mais pra dentro você for, mais escuro o caminho vai ficar, o desconhecido carece de luz, e isso não é necessariamente algo ruim, mas com certeza é assustador. É assustador conhecer a si mesmo, perceber a luz e a sombra que habita em você.
Acontece que, às vezes, ir pra dentro não é ir para perto. Você acha que tá lá, chegando perto do que você é, mas quando parece que tá quase lá, não tá, e cada vez mais você persegue algo que você talvez nunca alcance, e aí, quando se dá por si, não existe destino, mas também não tem como encontrar o caminho de volta.
Por muitas vezes eu só lamentei não ser mais o que um dia fui, e até hoje, até agora, enquanto escrevo aqui, eu gostaria muito de ser quem eu era. Eu costumava dizer, e estava di…

o enigma de mim mesma

Não gosto de gaiolas, gosto de ter espaço pra voar mesmo que eu resolva me demorar. Gosto de ser entendida, mas não adivinhada, o meu livro não é para todos, ele mal é pra mim. Sou apenas uma personagem  com caprichos, vontades e muitas eternidades. Gosto dos meus gostos e desgosto dos meus desgostos Faço coisas por impulso, e em outras penso bem, você é vários e eu também. Gosto de voar, mas preciso ter onde descansar, e se isso não é possível, só me resta aceitar, e, quando der, mudar. Pois onde não posso ser inteira, não me demoro. "Decifra-me ou te devoro."