sábado, 9 de agosto de 2014

Sobre ser só

Estranho esse tal de ser humano. Somos, comprovadamente, seres sociais. A não ser que a pessoa possua algum tipo de desordem psicológica, ela não sobrevive só. Nosso cérebro tende a "pifar" sozinho. E mesmo assim existe tanta resistência em conhecer gente de verdade, em se doar, e em conhecer quem se doe.
Venho lendo muitos textos, tanto em blogs quanto em outros locais, o quanto entristece a solidão. Algumas vezes a pessoa nem está só por completo, leva consigo uma ou duas pessoas especiais, com quem conta sempre, mas na maioria dos momentos do dia e da vida, sente-se só.
Confesso que sou uma vergonha pra classe, já que quase nunca eu sei o que dizer a estas pessoas. Eu sei que elas sofrem com a solidão, eu sei que faz mal a elas, mas o que dizer? Como ajudar a pessoa a melhorar? É muito complicado consolar uma pessoa que tem algum problema, porque nunca sabemos como ela sente a vida. É claro que a pessoa diz como se sente, é claro que a gente se esforça em ajudar, mas só quem tá dentro da situação sabe como ela é. Não é preguiça, de verdade, é falta de tato da minha parte, fala de competência.
A questão é que não sei como consolar uma pessoa que passa pelo mesmo que eu passo, mas que lida de maneira diferente. Não to aqui pra me fazer de sofredora e nem pra dizer que sou melhor que ninguém. Muito pelo contrário, ás vezes eu até estranho meu comodismo com a situação. Claro que solidão machuca, e que como todos que se sentem sozinhos, às vezes tudo que eu queria era alguém que entendesse quando eu respiro diferente, mas acontece que eu sempre fui tão introspectiva que acabei até me acostumando em ser minha própria ouvinte.
Hoje em dia são poucos os que estão dispostos a entender uma pessoa, aceitá-la do jeito que ela é, ter paciência e se doar pra ela mesmo assim, conhecendo esse Eu tão profundo que habita as profundezas de cada um de uma tal forma que ás vezes nem a própria pessoa sabe que existe. Acho que ficou muito confuso... Mas é a única maneira que eu tenho pra explicar.
Sou tão confusa comigo mesma que só tenho a agradecer pelas pessoas que eu tenho na minha vida, que estão dispostas a me amar e me aceitar como sou. Até por isso é tão difícil consolar você, que agorinha mesmo se sente só, porque meu consolo seria: eu sei que são poucas as pessoas que te querem tão bem quanto você quer o mundo, mas valorize-as. Quando você menos perceber, seu coração estará tão cheio de amor que você não vai mais se sentir só. Não posso prometer que não haverão dias ruins, mas é preciso conhecer o escuro pra reconhecer a luz. Enxergue sua vida de maneira mais doce, você com certeza não está tão sozinho quanto pensa.
Se a Poesia sempre esteve comigo, ela está com você também.




2 comentários:

ticoético disse...

"Se a poesia sempre esteve comigo,ela está com você também".
Genial,não que tivesse que ser,mas é,você é,uma genialidade simples e franca que encanta a própria poesia,talvez o porquê dela nunca ter lhe largado,enfim.

Abraço,moça !

Flávio P. Reis disse...

Nossa... é tudo verdade. Também tenho lido e testemunhado muito disso, seja na vida real, seja no facebook da vida... E é lamentável. Sinceramente, acho que estar só é muito distante de ser só, Vivian. Por isso é que o que você passa apenas aparenta ser o mesmo que o outro passa. Por isso é que é tão difícil encontrar uma solução exata pra essa questão. Tranquilize-se, pois raramente alguém consegue ser ajudado sem se ajudar. Ainda precisamos muito sermos nossos próprios ouvintes.
Desculpe a filosofia de botequim.
Postagem divina a sua.
Beijo grande!