sexta-feira, 14 de novembro de 2014

primeira pessoa do plural


Quando foi que a vida ficou assim?
Em um momento você podia falar, se abrir, dizer o que sentia sem medo de ser julgado pelo que fala. Agora, porém, é preciso pensar, planejar cada palavra que sai da sua boca. Cansa, não cansa?
Parece que cada som que é dito fora do gosto alheio incomoda, parece que tudo é ofensa, tudo é interiorizado. Isso tá errado. As coisas não deveriam ser assim, não é?
Sabe que é assim que pensa.
Sua maneira de ver o mundo é diferente da maneira de outros, e como não seria? Cada um é diferente, e no final do dia sua consciência é só sua.
Tendo certeza disso tudo, por que te afeta tanto quando te entendem mal? Se sabe que é assim que as coisas são, não deveria mais ficar triste quando sua diferença é tida como hostilidade.
Eu sei porque, você sabe que sei, não sabe?
É que sua maior diferença é se importar.







PS: a fonte dessa imagem é uma artista talentosíssima chamada Chiara Bautista, deixo aqui o link da página oficial dela no facebook, e admito que em um desenho ela faz mais de 200 poesias, aaah que inveja branca ;) rsrs
Beijos rimados pra vocês :*

3 comentários:

Gugu Keller disse...

Que, se te importas o pensar alheio, sejas feliz nessa tua cela.
GK

Bípede Implume disse...

Olá Vivian
Pois é, ele há tamanhos coletes de força a impedir nossa liberdade de expressão.
Continuo a gostar muito de te ler.
Os desenhos dessa amiga são fantásticos.
Beijinhos

Flávio P. Reis disse...

Vivian, é que estamos (todos nós!) aprendendo -e tentando nos acostumar com a ideia de- que tudo na vida tem suas consequências. Uns aprenderão mais rápido, outros não. Há de se ter mesmo cuidado, por responsabilidade, por respeito. Por hora, seremos ainda muito mal interpretados, vitimados de preconceito, de pré-juízo. Mas sou otimista! No fim, há de dar tudo certo. Pode crer!
Beijo grande, querida!