sábado, 28 de fevereiro de 2015

Maré



Eu queria meu nome batizando um furacão,
E uma música que associasse coisas boas a olhos castanhos.
Queria fazer uma tempestade no seu coração
Te deixar navegando nas minhas marés,
Queria que você se afogasse nos mares dentro de mim
Como eu me afogo no mar verde dos teus olhos
Como é que pode ser assim?
Como que orgulho é salgado que nem lágrima descida do queixo
Que queima a garganta que nem água do mar
Como eu me organizo pra pensar?
Você me tem tão fácil...
Pega meus pedaços como bem entende, leva pra longe
E depois volta como quem não levou nada.
Como você pode me querer calada?
Primeiro você me amansa
Depois tenta me convencer de que amar não é cilada.
Meus olhos castanhos chovem e viram tempestade
Pra fazer passar esse mal tempo instalado no meu coração.
Queria meu nome batizando um furacão
Que bagunçasse você que nem você me bagunça
Que desorganizasse seu pensamento
Pra eu ser seu alento
Que nem você é pra mim.
Como é que pode ser assim?

Pra ler ouvindo ou ouvir lendo:  http://youtu.be/2hr7Uqu6G80
s2



3 comentários:

Gugu Keller disse...

O sentimento que eis imerso muito flerta com o seu inverso.
GK

ticoético disse...

Olha,creio que a senhora deve retornar regularmente logo,pronto,é o comentário da saudade apenas.

Abraço!

PS:acho que a maioria dos desejos teus já são realidade, poesia com pernas!

Bípede Implume disse...

Olá Vivian
Até que tinha graça seu nome virar nome de furacão. Mas furacão bonzinho.
Tudo de bom pra você.
Beijinhos