Pular para o conteúdo principal

Temporada aberta

Não se pode esperar que as pessoas façam as coisas do jeito que você faria. Não se pode esperar atitudes que você teria.
Sempre me foi dito isso, mas a gente teima em achar que, por mais diferente que a pessoa seja, ela vai ser igual. Isso faz algum sentido? Já não sei mais. Sei que prometo a mim a mesma coisa sempre: que vou agir como você, devolver o silêncio, devolver o não saber. Parece não adiantar, parece que ninguém percebe, só eu. Não adianta ser espelho. Porém, já sabendo que é errado (e que dará errado), declaro:
-Que comece a temporada infame de tentar ser uma não-eu.

Comentários

Gugu Keller disse…
Procurar-se no outro é adernar sem porto.
GK
PAULO TAMBURRO. disse…
VIVIAN,

Sou seu mais novo seguidor e cheguei até você através do blogue da Simone e agradeço agora as duas por esta oportunidade.

Não adianta,nós fazemos sempre o que determina nossas consciências, independente das dos outros.

A máxima da dialética existencial e esta e sempre eterna contradição entre nós e os outros, afinal os "outros" se ão existissem qual o problema teríamos?

Nenhum, não é?

Ledo engano,criaríamos problemas conosco mesmos!

Foi assim através da história da humanidade,uns lavando as mãos para se livrar da sua consciência, outro dizimando seres hunamos da outra etnia para "purificar" quando ele mesmo era quem estava imundo, outros ainda, ,dizem que são corruptos ,pois afinal todo mundo rouba e daí? Não sabem que a sua consciência também é corrupta , e o outro apenas uma referência subjetiva, para que objetivamente ele também, "lave as mãos".

E o seu texto é de uma beleza infinita,caberia talvez no céu, mas nele ficaria ainda faltando algum espaço para todo este seu texto.

Ao dizer:-"Que comece a temporada infame de tentar ser uma não-eu", você abdica da fantasia de brincar com sua consciência e ser ela sem interferência, da não-você.

Que adianta Vivian, sermos aquilo que as nossas improbabilidades objetivas desmentem?

Que adianta ficar bem com ou outro, sendo o não-eu, se é isso que não desejamos.

Em matéria de amor e sentimentos, deixo-me rolar na ribanceira dos infortúnios mesmo e sempre que me ralo e me quebro todo, subo novamente, muito mais alto, para começar tudo de novo.

Se isto é ser masoquista eu adoro.

Então eu sou.

Mas não queiram esvaziar a minha vontade de ser o que a minha consciência determina.

Pense nisso!!!

Mas como ninguém é de ferro,estou falando sobre o Barão de Itararé e a conjuntura nacional em meu blog,

HUMOR EM TEXTOS.

Recentes estudos comprovam que esta enxurrada de noticias más e massacrantes às quais estamos expostos diariamente, causa males irreversíveis à saúde.

Que tal, participar conosco de um blog que pretende ser engraçado?

Um abração carioca e lhe espero por lá, todo quebrado se for preciso mas em paz com a minha consciência.


Bípede Implume disse…
Olá Vivian
Já andei por aqui tentando deixar uma palavrinha mas ou por inépcia minha ou qualquer outro problema essa dita cuja não saiu.
Vou tentar.
Gosto muito do que escreve, você já sabe.
Faço seu caminho. Andamos tão absorvidos em viver que nos esquecemos de nos questionar.
E A Vivian faz isso muito bem.
Beijinhos prá você.^

Postagens mais visitadas deste blog

cheio de nada

O silêncio dói.
Não saber o que falar incomoda.
A cada palavra não escrita a mão coça
a cada palavra não ouvida o corpo se molda
em algo maior ou menor
dependendo do que for
ou do que deixa de ser.

O não dito corrói.
Queima entre os espaços cheios de nada
que todo o resto vai deixando
conforme a vida acontece
e o resto vai se mostrando
para ser modificado pelo tempo.

O silêncio não faz sentido.
Ele vai se perdendo cada vez que se mostra
ele vai se esvaindo a cada exposição,
pois o silêncio não tem coração,
ele pode até ser inspiração,
mas não é inspirado.

A tua cabeça não mais trabalha,
o teu ouvido não mais escuta,
e teu coração não sente mais culpa,
talvez não sinta amor,
talvez não sinta paixão.
Tua frase não mais se constói,
você está cheio de nada,
porque o silêncio dói.

Oceano

Cada um é um mar.
Alguns mares são mais frios, outros mais distantes, ou revoltos, porém são sempre mar.
Você às vezes nada tanto pra dentro de si mesmo que parece que nunca mais vai voltar. Talvez às vezes você nem volte mesmo. 
Quanto mais você nadar, quanto mais pra dentro você for, mais escuro o caminho vai ficar, o desconhecido carece de luz, e isso não é necessariamente algo ruim, mas com certeza é assustador. É assustador conhecer a si mesmo, perceber a luz e a sombra que habita em você.
Acontece que, às vezes, ir pra dentro não é ir para perto. Você acha que tá lá, chegando perto do que você é, mas quando parece que tá quase lá, não tá, e cada vez mais você persegue algo que você talvez nunca alcance, e aí, quando se dá por si, não existe destino, mas também não tem como encontrar o caminho de volta.
Por muitas vezes eu só lamentei não ser mais o que um dia fui, e até hoje, até agora, enquanto escrevo aqui, eu gostaria muito de ser quem eu era. Eu costumava dizer, e estava di…

o enigma de mim mesma

Não gosto de gaiolas, gosto de ter espaço pra voar mesmo que eu resolva me demorar. Gosto de ser entendida, mas não adivinhada, o meu livro não é para todos, ele mal é pra mim. Sou apenas uma personagem  com caprichos, vontades e muitas eternidades. Gosto dos meus gostos e desgosto dos meus desgostos Faço coisas por impulso, e em outras penso bem, você é vários e eu também. Gosto de voar, mas preciso ter onde descansar, e se isso não é possível, só me resta aceitar, e, quando der, mudar. Pois onde não posso ser inteira, não me demoro. "Decifra-me ou te devoro."